Famílias de 121 municípios serão beneficiadas com a construção de cisternas

0
327

Os lares de milhares de famílias de 121 municípios no Ceará serão contemplados com mais obras de segurança hídrica. O Estado receberá o investimento federal de R$ 68,5 milhões para a construção de cisternas para abastecimento de água com finalidades de consumo humano, produção e fornecimento para escolas.

A iniciativa foi anunciada nesta quinta-feira (24), em cerimônia no Palácio da Abolição, com a presença do governador Camilo Santana, do ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, do secretário do Desenvolvimento Agrário, Francisco de Assis Diniz, lideranças políticas locais e nacionais, além de representantes de famílias do Interior que serão beneficiadas.

Camilo Santana ressaltou que a previsão é de que, com os recursos liberados, cerca de 21 mil cisternas sejam construídas – número a ser confirmado após estudos dos custos e da proposta colocada pelas entidades envolvidas. Para o governador, este será um passo importante no plano do Governo do Ceará de garantir o acesso a fontes d’água em todo o Estado.

“Essa liberação aqui hoje vai nos permitir algo em torno de 20 mil novas cisternas. Para universalizar o acesso à água no Ceará, deve ser necessário em torno de 80 a 85 mil cisternas de placas. Queremos fortalecer esse planejamento a médio prazo, para nos tornarmos o primeiro estado brasileiro a universalizar essa política de abastecimento para a população”, afirmou.

A dona de casa Ieda Torres Lima, 55, veio do município de Barreira para comemorar o anúncio de que seu lar está prestes a ser beneficiado com nova fonte de água. “Será um ganho muito grande. A gente vai armazenar água para poder usar o ano todinho. Uma água boa para o consumo. Isso é a melhor coisa que pode acontecer para a população de lá”, sorriu.

Distribuição

Do total de recursos disponibilizados, R$ 30 milhões serão empregados em cisternas para consumo humano (1ª água) em 77 municípios, sendo 411 em escolas da rede pública estadual. Outros R$ 24,3 milhões serão utilizados para construção de cisternas de produção (2ª água) em 57 municípios. Os recursos são oriundos do Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS).

Os R$ 14,1 milhões restantes são provenientes de uma parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que vão beneficiar mil famílias com cisternas de 2ª água, em dez municípios.

O chefe do Executivo lembrou que as obras significam um ponto de conquista para muitos cearenses que vivem situação de pobreza e lutam para conquistar direitos básicos. “A água de cisternas será utilizada para os afazeres do dia a dia. Cozinhar, tomar banho, consumo humano. O uso dela é para a necessidade dessa população. As cisternas ficam do lado da casa das pessoas. Ela coleta água que vem da chuva, do telhado da casa. Em época de seca ou escassez, ela serve de reserva para as famílias”.

Segundo o ministro Alberto Beltrame, o investimento vai auxiliar no desenvolvimento da região e ajudará o Ceará a continuar o ritmo de crescimento dos últimos anos. “Todos juntos visam à autonomia das pessoas, a emancipação das famílias, a promoção de liberdade que é a missão fundamental de qualquer política pública na área social”.

Critérios

Sobre os critérios para seleção das entidades para o programa de cisternas, Camilo Santana explicou que a Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) abrirá um edital estabelecendo as regras para a construção das cisternas.

“Esse programa tem todo o envolvimento da família neste processo. Já foi lançado o edital dos R$ 24 milhões e deverá providenciar os outros editais para posteriormente serem executados. Existe todo um estudo feito pelo Ministério sobre onde existe a demanda para receber as cisternas. A distribuição das cisternas é de acordo com a necessidade e a demanda de cada município. Serão beneficiados 122 municípios neste momento”, disse.

Resultado do IBGE

Durante o evento, Camilo lembrou que o Ceará foi o único estado nordestino em 2017 a reduzir a pobreza extrema, com diminuição de 3,57%, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada na última terça-feira.

“Sei que vivemos um momento difícil no Brasil. Crise econômica, momento difícil na política brasileira, o Ceará enfrentando anos e anos de seca. Mas fiquei muito feliz porque o Ceará foi o único estado do Nordeste brasileiro, um dos cinco do Brasil, que conseguiu em 2017 comparado com 2016, continuar reduzindo a extrema pobreza. Isso é fruto dos investimentos, da lógica de priorizar as políticas para o homem do campo. Em nenhum momento, nesses últimos anos, o Estado deixou de investir em diversos programas. Isso que faz a gente reduzir, esse é o grande sentido da gestão pública: acolher aqueles que mais precisam”.

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Ceará
Gabinete do Governador
comunicacao@gabgov.ce.gov.br

DEIXE UMA RESPOSTA